RedeCultural
INSCREVER
PESQUISAR
TOP DIVULGADORES
PERGUNTAR
CONVIDAR
E-MAIL
PASSWORD
Inscreva-se gratuitamente na RedeCultural para receber uma newsleter semanal personalizada e/ou divulgar eventos culturais.
Quanto mais rede,
mais cultural.
“DIAS ÚTEIS” DE CATARINA BOTELHO
Exposição
Última ocorrência:
// 25 de Junho de 2011
// Cooperativa de Comunicação e Cultura
// Lisboa
// Gratuito
<< REGRESSAR À LISTA DE EVENTOS ANTERIOR <<
Calendário com as ocorrências deste evento (marcadas a cor-de-rosa):
Maio de 2011
01 02 03 04 05 06 07 08 09 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31
Junho de 2011
01 02 03 04 05 06 07 08 09 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30
 // “DIAS ÚTEIS” DE CATARINA BOTELHO
DESCRIÇÃOCatarina Botelho (Lisboa, 1981), apresenta nesta segunda exposição individual, três séries de trabalhos que se reúnem sob o título de Dias Úteis.
Na série s/título (dias úteis) as suas imagens representam pessoas que surgem sozinhas, dentro de um espaço onde participam em tarefas tão comuns como dormir, tomar banho, ler, preparar uma refeição, ou fumar. A autora é parte integrante desta situação, está lá. Mas entre a fotógrafa e o fotografado, o olhar não pode estar presente, pois perturba, invade. Não existe um olhar sobre o outro, naquele momento são apenas um, numa partilha de uma acção. No seu caso, vida e trabalho estão juntos e são inseparáveis, o privado e o público funcionam em paralelo, pois nem o eu, nem o trabalho existem sem o outro. Esse é o seu processo de trabalho e apesar de ser parte integrante desse momento, não o altera, apenas o enquadra e regista. É um trabalho sóbrio, sem truques, nem encenações. Nada aqui é construído, não documenta, nem retrata, as pessoas apenas estão e são. Há uma tranquilidade no tempo destas imagens, a vida parece estar em suspensão, na informalidade da atitude destes corpos. E mesmo nos olhares que evitam cruzar-se com o nosso, há uma poesia nos gestos e nos pormenores retratados.
As casas são também uma presença constante nos trabalhos de Catarina Botelho, é no seu interior que praticamente tudo acontece. Elas acolhem as pessoas e os objectos, e só pontualmente há outros espaços como cafés, hotéis ou cenas de exterior, mas quase sempre como uma extensão da casa. A casa é o lugar de convivência, onde permanecemos, é o espaço vivido diariamente.

Apesar das suas imagens continuarem na sua maioria a representar pessoas, surge agora também uma aproximação particular aos objectos. Eles sempre estiveram lá, no plano de fundo, mas agora autonomizam-se ganhando um espaço próprio nalgumas imagens. Há ainda outros objectos como mesas, camas ou sofás, que criam horizontes estáveis de relação com os corpos que com eles convivem, ou aos quais se abandonam.

Fox Talbot assinalou ainda no séc. XIX, a especial capacidade da câmara para registar os “estragos do mundo”, referindo-se ao que ocorre a edifícios e monumentos. Desta forma a fotografia sempre comentou a perda, a mudança e a destruição de objectos ou pessoas, pois perdura no tempo, para além do que revela.
A Natureza Morta é normalmente descrita como um género que representa objectos inanimados, sejam eles naturais ou construídos, tradicionalmente objectos ligados à vida das cozinhas ou de uso em interior doméstico. Há associado às naturezas mortas, um processo de desgaste e desaparecimento, que segue o ritmo lento da existência material. Também os objectos se transformam, os naturais apodrecem e os construídos vão-se transformando pelo desgaste material e pelo uso que lhes é dado. Podemos identificar ao longo do séc. XX, uma série de objectos que pelos vestígios da degradação causada na sua relação com o homem, se foram associando às naturezas mortas. É nesta tradição de objectos “contemporâneos” que algumas imagens de Catarina Botelho se inserem, desde o quadro clássico de alimentos e material de cozinha sobre a mesa, até uma almofada “amassada”. Incluem-se nesta categoria, por também eles mostrarem a passagem do tempo, e essa erosão lenta que causamos em quase tudo o que tocamos. Estas imagens descrevem-nos numa quietude que lhes é inerente.
(…)
É neste diálogo entre silêncio e vida, (…) No facto de os objectos ali estarem como memória, fazendo referência às pessoas, às casas e às vivências que os foram transformando. Imagens, que nos remetem para os dias de partilha e convivência quotidiana – Dias Úteis.


Filipa Valladares
excerto do texto Still Life
in "Dias Úteis", Assirio & Alvim, Lisboa, Novembro 2009
LOCALCooperativa de Comunicação e Cultura
MORADARua da Cruz, 9
DISTRITOLisboa
E-MAILgeral@ccctv.org ou info@ccctv.org
WEBSITEhttp://www.ccctv.org
HORARIO19:30
CUSTOGratuito
DIVULGADORCooperativa de Comunicação e Cultura de Torres Vedras
>> DENUNCIAR ESTE EVENTO OU AVISAR QUE ESTES DADOS NÃO ESTÃO CORRECTOS <<
>> PARTILHAR ESTE EVENTO NO FACEBOOK >>
<< REGRESSAR À LISTA DE EVENTOS ANTERIOR <<
 // PRÓXIMOS EVENTOS RELACIONADOS
ESQUELETOS COLATERA...
Exposição
// 20 de Outubro de 2017
// Galeria Bangbang
// Lisboa
// Gratuito
11º PRÊMIO ARTE L...
Exposição e Outra
// 20 de Outubro de 2017
// Veneza arsenal
// Lisboa
// Não gratuito
PREVENçãO E GESTÃ...
Workshop
// 26 de Outubro de 2017
// RG Mindset
// Lisboa
// Não gratuito
Bibliofeira