RedeCultural
INSCREVER
PESQUISAR
TOP DIVULGADORES
PERGUNTAR
CONVIDAR
E-MAIL
PASSWORD
Inscreva-se gratuitamente na RedeCultural para receber uma newsleter semanal personalizada e/ou divulgar eventos culturais.
Quanto mais rede,
mais cultural.
CARLOS MENSIL, CRISTINA TROUFA E FILIPE ...
Exposição
Última ocorrência:
// 22 de Outubro de 2011
// Galeria Artes Solar Sto. António
// Porto
// Gratuito
<< REGRESSAR À LISTA DE EVENTOS ANTERIOR <<
Calendário com as ocorrências deste evento (marcadas a cor-de-rosa):
Setembro de 2011
01 02 03 04 05 06 07 08 09 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30
Outubro de 2011
01 02 03 04 05 06 07 08 09 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31
 // CARLOS MENSIL, CRISTINA TROUFA E FILIPE CORTEZ
DESCRIÇÃOContra o espelho
O espelho sempre esteve associado à concepção de narcisismo e de culto da imagem, em especial de egocentrismo. Por outro um lado refere-se à tomada de consciência, à auto-compreensão e conhecimento; assume-se, também, como ficção, o reflexo, o irreal, a inversão e a subversão, adoptando frequentemente como que a passagem para o surreal.
Contra o espelho é o lugar de proximidade e rotura com as possíveis associações atribuídas ao espelho: é a proximidade com a auto-representação, o reflexo, e a negação dessa proximidade através da subversão que é atribuída a cada reflexo.
O auto-retrato é na hipermodernidade o que melhor assume a valorização do Eu e da sua importância perante a sociedade. O indivíduo não procura a satisfação do outro pelo outro, mas sim, aceder a este através de si próprio. Auto-representação, auto-centrado, auto-satisfação, perspectivando a valorização perante o outro sem, no entanto, se submeter às suas exigências.
Contra o espelho é este diálogo onde a imagem e o reflexo não são essenciais, mas assumindo o caminho para aceder ao outro. O espelho não é o objectivo, mas o caminho para compreender os territórios externos a cada artista, reflectindo em especial o mundo que os rodeia através das preocupações e dos territórios de cada um. Aproxima-se talvez da fotografia, do território visível dentro do espaço do ecrã ou do visor da máquina, onde cada realidade é vista por um tipo distinto de objectiva. Neste caso, o território de acção de cada artista é o seu próprio território (Carlos Mensil), a sua própria imagem (Cristina Troufa), ou a sua própria moral (Filipe Cortez). O território pessoal é a matéria de observação do mundo, de outras realidades, de enfoque no outro, optando sempre por utilizar o seu corpo como território de acção e de confrontação com o outro.
Carlos Mensil utiliza o espaço, o seu espaço, as ferramentas, as suas ferramentas, os objectos, os seus objectos e apresenta-os como se fossem transferidos de um lugar onde apenas ele intervém, e onde se poderá aceder apenas através das suas obras. Poderia tratar-se de um processo simples de descontextualização, mas observando atentamente percebe-se que o que está em causa é a interpelação, o intervir com o espectador, apesar de nunca ceder à vontade deste. Através de pinturas hiper-realistas apresenta pequenos trechos da sua realidade, um território inacessível, sem nunca contar toda a narrativa, mas apenas parte dela, deixando em aberto a reconstrução de acordo com a identidade do fruidor.
Cristina Troufa assume-se como a principal ferramenta de toda a intervenção artística e crítica. O seu corpo, a sua imagem, tal como a execução de todas as suas obras são as matérias de trabalho. As suas pinturas funcionam quase como tatuagens que a artista realiza no corpo e que depois volta a arrancar, para de novo voltar a ser intervencionada. Poderia tratar-se de um simples processo de transformação, como se assumisse uma personagem distinta, mas o seu processo vai para além desta elementar mudança, a história está muito mais enraizada, mais profunda, dentro da pele. Os seus auto-retratos são os retratos de muitas personagens, de muitos actores, de muitos anónimos que a artista absorve, assume, e que posteriormente interpreta na tela, no espaço vazio das costas de uma tela branca. O seu território poderia ser o outro lado do espelho, mas mais do que isso ele assume-se como o cenário que está por detrás da nossa imagem quando olhamos ao espelho. É um espaço real que só vemos quando olhamos para nós, sem nos vermos.
Filipe Cortez é talvez o autor mais controverso apresentando-se de modo desinibido, tratando temas poderosos como a morte, a religião, a sociedade civil e optando, também ele, por se assumir como o território de intervenção, principalmente nos últimos trabalhos. O seu corpo na pintura é o corpo da História e da moral, que vai utilizando sem se apresentar como crítico ou envolvido nas temáticas referidas. As suas pinturas são a ambiguidade da representação e da crítica, mas interpretáveis por qualquer um dos espectadores. São retratos de figuras que reconhecemos e que ele absorve, criticando-as, destruindo-as, venerando-as. Provavelmente a veneração não faz parte dos seus objectivos, mas não será improvável que isso possa acontecer porque a dedicação a que se oferece em cada obra representa sempre algum tipo de devoção.
É sem dúvida uma reunião forte de artistas, de pensadores e de executantes de excelência, que absorveram a identidade individual hipermoderna onde a satisfação do Eu corresponde ao novo, ao original. O Eu é único e aquilo que tem para dizer poderá ser revelador do que estes artistas têm para nos dizer: não é um acto de narcisismo, mas de satisfação deles e, posteriormente, nossa.
Domingos Loureiro
LOCALGaleria Artes Solar Sto. António
MORADARua do Rosário, 84
DISTRITOPorto
E-MAILgeral.artes@gmail.com
WEBSITEhttp://solarstoantonio.blogspot.com
HORARIO16:30
CUSTOGratuito
DIVULGADORAnjos Mendes
>> DENUNCIAR ESTE EVENTO OU AVISAR QUE ESTES DADOS NÃO ESTÃO CORRECTOS <<
>> PARTILHAR ESTE EVENTO NO FACEBOOK >>
<< REGRESSAR À LISTA DE EVENTOS ANTERIOR <<
 // PRÓXIMOS EVENTOS RELACIONADOS
FAMILIAS ARGILOSAS
Workshop
// 12 de Novembro de 2017
// Museu do Vinho do pOrto
// Porto
// Não gratuito
18º CONGRESSO INTE...
Palestra
// 23 de Novembro de 2017
// Legião da Boa Vontade
// Porto
// Gratuito
18º CONGRESSO INTE...
Palestra e Workshop
// 23 de Novembro de 2017
// Legião da Boa VOntade
// Porto
// Gratuito
Bibliofeira