RedeCultural
INSCREVER
PESQUISAR
TOP DIVULGADORES
PERGUNTAR
CONVIDAR
E-MAIL
PASSWORD
Inscreva-se gratuitamente na RedeCultural para receber uma newsleter semanal personalizada e/ou divulgar eventos culturais.
Quanto mais rede,
mais cultural.
PAULO CATRICA - FOTOGRAFIAS 1997-2006
Exposição
Última ocorrência:
// 30 de Outubro de 2006
// Carlos Carvalho Arte Contemporânea
// Lisboa
// Gratuito
<< REGRESSAR À LISTA DE EVENTOS ANTERIOR <<
Calendário com as ocorrências deste evento (marcadas a cor-de-rosa):
Setembro de 2006
01 02 03 04 05 06 07 08 09 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30
Outubro de 2006
01 02 03 04 05 06 07 08 09 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31
 // PAULO CATRICA - FOTOGRAFIAS 1997-2006
DESCRIÇÃO

PAULO CATRICA
FOTOGRAFIAS 1997 - 2006

Nasce no ano de 1965 em Lisboa, dividindo o seu trabalho entre Inglaterra e Portugal. No que respeita ao seu percurso académico, Paulo Catrica começa por estudar fotografia no Ar. Co. em Lisboa durante os anos de 1984 a 1985. Conclui o curso de História pela Faculdade Lusíada de Lisboa em 1992, e em 1997 completa o mestrado em Imagem e Comunicação no Goldsmith College de Londres. Frequenta actualmente o doutoramento em Estudos de Fotografia na Universidade de Westminter em Londres. inicia o seu percurso artístico em 1998 com as exposições individuais Centro Português de Fotografia do Porto (Periferias, 1998) e Limelight gallery, Londres (SE 8*14, 1998). Das suas exposições individuais destacam-se ainda as realizadas no  Instituto Camões de Paris Liceus de Portugal, 2002), no Middlands Art Center , Birmingham (The White Room Series, 2004) e na Casa da Cultura da Calheta, Madeira (Terrain Vague, 2006). Nas exposições colectivas destaque para a participação na Triennale de Tampere (Finlândia, 1999), FotoNoviembre, (Espanha, 1999), FotoHerten (Alemanha, 2000), e Bienal de Praga,(2005).
São diversas as colecções públicas e privadas em que está representado entre as quais a Colecção Nacional de Fotografia/CPF, o Museu de Londres, o National Monuments Record em Inglaterra, o Centro de Artes Visuais de Coimbra, ou o Arquivo Fotográfico da Câmara Municipal de Lisboa.
Trabalha actualmente num projecto fotográfico a convite do Teatro Nacional de S. Carlos.

Paulo Catrica interessa-se pelas paisagens contemporâneas em transformação face ao impacto dos ciclos económicos e sociais; o seu objecto de pesquisa é, sobretudo, o modo como tratamos a paisagem e lidamos com os espaços: “Gosto particularmente do modo como as cidades crescem ao sabor de decisões maiores e de acidentes menores. Umas contidas pelo traço dos seus planos urbanísticos, onde parece que tudo faz sentido, outras, quase sempre as do Sul, caóticas, degradadas, sofridas e fantasticamente vividas. Gosto de todas, umas e outras.” A sua forma de reflexão sobre os espaços é tratada tomando como ponto de partida uma objectividade que o artista procura obedecer, interessando-se por oferecer à paisagem uma imagem limpa. Como forma de representação da realidade recorre aos grandes planos ortogonais, luz neutra, o olhar a direito sem retórica ou manipulação, convidando o observador a deter-se nos pequenos pormenores. Esta procura pela máxima transparência da imagem pretende anular no momento da contemplação, a presença da máquina entre o espectador e a fotografia, dando a ilusão que o mesmo observador se encontra realmente perante o espaço fotografado. É a essência do fotográfico em detrimento às correntes mais formalistas contemporâneas que visam extrair a plasticidade das linhas e manchas na paisagem. A sua rede de influências remonta aos finais do século XIX, com o experimentalismo na fotografia de paisagem de Gustave Le Gray,  Timothy O’ Sullivan, depois com Eugène Atjet, Walker Evans e mais recentemente os “New Topographics” e Gabriele Basilico.









SALA ZOOM
ALEXANDRA DO CARMO
Desenho

ESPAÇO COMISSARIADO POR FILIPA OLIVEIRA E MIGUEL AMADO

Nasce em Portugal em 1966 e terminou o curso Avançado de Belas Artes da AR. CO. em 1998 tendo-se radicado em Nova Iorque  a partir de 2000 e aqui completou o Mestrado em Belas Artes no Instituto Pratt . Neste projecto é apresentado um conjunto de desenhos que nos remontam às classificações arqueológicas sugerindo-nos marcas de fósseis e questionando as diferenças e analogias entre uma abordagem científica e artística. Buscando reminiscências na arte pré-histórica quando o muro era o suporte de afirmação do indivíduo que procurava marcar a sua individualidade, a artista vai recuperar esta acção primária procurando fazer o mesmo paralelismo deixando marcas dos seus desenhos no papel.





SALA 20 M3
JORGE LANCINHA
Instalação site-specific

ESPAÇO COMISSARIADO POR FILIPA OLIVEIRA E MIGUEL AMADO

Jorge Lancinha nasceu em 1975 na cidade de Évora.
Frequentou a Faculdade de Belas Artes da Universidade de Lisboa (1993/2000) onde se licenciou em Pintura.

No seu percurso criativo encontram-se aproximações diversas a múltiplos meios de expressão, desde a própria pintura ou o desenho, à tridimensionalidade objectual e à instalação. Foi inclusive neste registo «objectual» que se apresentou pela primeira vez na Galeria Ara (1998) conjuntamente com outros três colegas - José Batista Marques, José Lourenço e Rui Macedo – numa exposição intitulada “3.27” que veio afirmar uma ligação gerada durante os tempos de faculdade, e que foi motivo de mais duas outras mostras com o mesmo nome (2001 e 2004). Caracteriza assim Carlos Vidal as obras apresentadas na altura (texto do catálogo – “Da Matéria à Matéria Simbólica”): “Há nestes trabalhos (…) uma vocação «materiológica» (termo que pertence a Jean Fautrier e ao informalismo) que o leva a hibridizar o espaço do pictórico com o «fazer» e o «processo» inerente aos objectos. Daí que as suas pinturas, por vezes, tomem a forma daquilo que chamamos habitualmente de esculturas. Posteriormente. Esse «fazer» (que é o processo físico ou a produção do matérico e do material) reveste-se de uma necessidade (…) de simbolizar, cruzamento último que pressupõe a presença da mão, como agente da realidade daquilo que é apresentado e, ao mesmo tempo, uma determinada e heterodoxa religiosidade. (…) tenta-se a arte como espaço metafórico e metamórfico; persegue-se, digamos assim, o retrato de um «homem» prisioneiro da efemeridade e da temporalidade (…)”
Logo após regista-se um regresso à pintura na sua expressão mais tradicional (tinta sobre tela) e desde então tem sido este o território de exploração eleito pelo artista. Aqui a necessidade de «simbolizar» descrita anteriormente por Carlos Vidal ganha forma através de uma outra abordagem, já não «materiológica» - ou seja, emanando da metamorfose plástica dos materiais – mas sim temática.
Nos trabalhos apresentados em 2003 na exposição individual “Fio de Ariadne” traça-se os contornos de um universo simbólico no qual se move actualmente a pintura de Jorge Lancinha. A pesquisa em torno de tradições ancestrais, o fascínio pela cultura de civilizações passadas, o mito, o sagrado, caracterizam esse universo e introduzem aquilo a que poderíamos definir como uma espécie de «abordagem arqueológica» da pintura, recuperando no tempo formas, imagens, conceitos; resgatando-as não do tempo geológico mas fazendo-as emergir de um plano meta-temporal onde se inscrevem os ciclos e as estações da existência humana.
Temas como as Mandalas e os Labirintos são abordados nos trabalhos mais recentes de Lancinha, onde podemos assistir a uma recuperação de imagens fortemente carregadas de simbolismo reinventadas numa outra linguagem estética.








LOCALCarlos Carvalho Arte Contemporânea
MORADARua Joly Braga Santos Lte F - R/C
DISTRITOLisboa
E-MAILcarloscarvalho-ac@carloscarvalho-ac.com /sandrarodrigues@carloscarvalho-ac.com
WEBSITEhttp://www.carloscarvalho-ac.com
HORARIO10:00
CUSTOGratuito
DIVULGADORSandra Rodrigues
>> DENUNCIAR ESTE EVENTO OU AVISAR QUE ESTES DADOS NÃO ESTÃO CORRECTOS <<
>> PARTILHAR ESTE EVENTO NO FACEBOOK >>
<< REGRESSAR À LISTA DE EVENTOS ANTERIOR <<
 // PRÓXIMOS EVENTOS RELACIONADOS
DANIELA NUNES @ GAL...
Exposição
// 13 de Dezembro de 2017
// Galeria Bangbang
// Lisboa
// Gratuito
13º CURSO GERAL DE...
Cinema e Workshop
// 11 de Dezembro de 2017
// Rua Latino Coelho, 8...
// Lisboa
// Não gratuito
Bibliofeira